Publicidade



0

Sepse continua sendo a primeira causa de morte por infecção; Cerca de 6 milhões de recém nascidos e crianças todos os anos são afetadas, veja

Crianças recém-nascidas são uma das criaturas mais delicadas da Terra. Assim que eles saem do útero de suas mães, são expostas a um ambiente em que ainda não estão preparadas para lidar. Entre as possíveis consequências dessa menor imunidade está uma infecção que pode se transformar em uma condição potencialmente fatal, a mais comum delas é a infecção extrema conhecida como Sepse.


shutterstock
Sepse: O uso desses probióticos custará menos de US$ 1 por bebê

Felizmente, uma técnica barata de prevenção de Sepse pode estar disponível em breve, graças ao trabalho de cientistas dos Estados Unidos e da Índia - e a uma bactéria comumente encontrada em cozinhas asiáticas. A Bactéria probiótica, abundante em kimchi, picles e outros vegetais fermentados, poder reduzir drasticamente as chances de os bebês contraírem Sepse.

O truque foi descobrir qual a colisão bacteriana probiótica funcionaria de forma mais eficaz, de acordo com o médico pediatra da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Nebraska, Pinaki Panigrahi, que vem trabalhando em uma maneira para prevenir a infecção há 20 anos.

“Criamos mais de 280 cepas em estudos preliminares de animais e humanos” disse à National Public Radio (NPR, em tradução livre: Rádio Nacional Pública). Probióticos são também conhecidos por serem efetivos em prevenir uma infecção de intestinos de recém-nascidos chamada Enterocolite necrosante. O melhor de tudo, é que o uso desses probióticos custará menos de US$ 1 por bebê, disse Panigrahi.

Uma chance de luta

Sepse continua sendo a primeira causa de morte por infecção no mundo. Sabe-se que 6 milhões de recém nascidos e crianças todos os anos são afetadas, representando cerca de 60% a 80% das vidas perdidas anualmente, incluindo as mortes de cerca de 600 mil bebês. O pior de tudo, não é facilmente detectável nos bebês. "De repente, o bebê deixa de ser ativo. Para de chorar en perde o apetite", disse Panigrahi, autor principal no relatório publicado na revista Nature. “Quando chega a hora, a mãe traz o bebê para o hospital, e ele morre”.

Em um estudo, o risco de morte causada por sepse caiu 40% nos 4 mil bebês alimentados com os micróbios probióticos. A administração de probióticos também descobriu que a técnica previne infecções pulmonares, com a queda de 30%. “Isso foi uma grande surpresa, porque não acreditávamos que uma bactéria do intestino iria impactar um órgão tão distante como o pulmão”, disse Panigrahi. A distensão abdominal foi o único efeito colateral significativo observado, afetando apenas seis dos bebês testados.

A fabricação de um tratamento com probióticos será notavelmente barata. E pode não demorar muito para que este tratamento seja encontrado para uso comum, como no tratamento de Sepse. “[Probióticos] podem promover maturação do sistema imunológico de maneira mais saudável”, disse o neonatologista, Pascal Lavoie, do Hospital da Criança de Vancouver. “Probióticos podem ser muito mais poderosos que drogas”.

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário. Não publicamos neste blog comentários com palavras de baixo calão, denúncias levianas e troca de ofensas entre leitores.